Centro de Convivência Santa Doroteia

O Centro de convivência Santa Doroteia se inspira na tradição cristã. A partir da sua visão cristã, atinge a concepção do homem fundado na primazia, na dignidade e no valor da pessoa, realidade que tem em Deus e em Jesus Cristo a sua fonte. Para este motivo, o educando é acolhido e amado como único nas suas características e nas suas potencialidades. A Proposta formativa está baseada nos 4 pilares da teoria sócio construtivista da educação: Aprender a conhecer, Ser, Conviver, Fazer. Esta teoria se concretiza tendo presente que:

1. O CCSD tem como razão de ser: as Crianças e os Adolescentes

· Valoriza-los como “pessoas”; Promover neles o conhecimento; Capacita-los a fazer escolhas; Habilita-los a ter um pensamento crítico e uma visão de mundo.

2. O CCSD é um lugar formativo para:

· Acompanhar as crianças/adolescentes no seu crescimento; Estimular neles o uso responsável da liberdade; Oferecer para eles chaves de leitura para interpretar a realidade; Introduzi-los na descoberta da dimensão humana e ética da cultura.

3. O CCSD interage com a comunidade:

· Envolve as famílias;Dialoga com o Distrito do Grajaú;Colabora com a comunidade cristã local.

 OBJETIVO GERAL: Promover uma educação integral para as crianças e adolescentes; Ajudar a descobrir neles as potencialidades e limites na convivência com os outros. Facilitar a própria inclusão no contexto social.

META EDUCATIVA

 O Centro de Convivência Santa Doroteia:

– Promove como meio educativo a Santa Amizade para alimentar uma cultura do interesse pela pessoa, para criar condições e relações de crescimento em vista de uma inclusão construtiva na sociedade; Prepara a viver e gerir relações no convívio cotidiano para combater o individualismo, a solidão e a indiferença; Exige e favorece o exercício do diálogo, da abertura, da responsabilidade e do respeito uns com os outros, da compreensão e da “correção fraterna”; Ajuda a formar uma identidade humana e cristã reconhecendo a amizade como valor que faz crescer, experimentando o bem e a graça que a amizade pode gerar, abrindo-se gradualmente ao dom do Bem que é Deus.